Anúncios

VEREADOR QUESTIONA VERBAS ENVIADAS PARA A SANTA CASA

by

 

Marquinho site

Advogado Antonio Fonseca, José Orlando da Cruz, advogado Neto Cruz,  Gonzaga e vereador Antonio Marcos de Abreu.

Na terça-feira (17), na tribuna da Câmara Municipal, o vereador Antonio Marcos de Abreu (PR) teceu comentários sobre a situação da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí. O prefeito José Manoel Corrêa Coelho (Manu) devolveu no dia 12 de maio a direção do hospital a uma Comissão Provisória, presidida por Vera Lúcia das Dores. Dia 27 de janeiro, através de um decreto, a Prefeitura de Tatuí “requisitou” a Santa Casa e assumiu a sua direção.

O vereador Marcos de Abreu abordou assuntos administrativos, que ele entende que não estavam de acordo com boas normas administrativas. O vereador já administrou a Santa Casa e garante que, quando o entregou à nova diretoria, o hospital apresentava superávit. Na terça-feira passada,  iniciou seu pronunciamento cobrando o recebimento dos balancetes da Santa Casa, referentes ao período que o hospital esteve sob “requisição” da municipalidade. Os documentos foram solicitados através de requerimento apresentado na Câmara. Antonio Marcos deseja saber como ficou a “saúde” financeira e estrutural da Santa Casa durante a requisição.

Com a “desrequisição”, o vereador falou sobre a possibilidade da realização de convênios na Santa Casa. Segundo consta, a “requisição” não permite celebração de convênios de saúde. Marcos lembra do convênio que havia com o IAMSPE, implantado na gestão do ex-prefeito Luiz Gonzaga Vieira de Camargo. Ele afirma que trabalhou como interventor do hospital tatuiano e que este convênio, na sua gestão,  “ajudou muito a Santa Casa e a população tinha exames que o convênio pagava”.

Marcos questiona também informação divulgada pela Prefeitura de que “a Santa Casa recebeu o maior repasse da história de Tatuí”. Ele desqualifica esta informação e afirma que os números propagados pela municipalidade incluem dinheiro encaminhado para manutenção do pronto socorro municipal e enviado pelo Ministério da Saúde. O parlamentar quer saber exatamente quanto de recurso enviado pela Prefeitura “ficou” de fato para manutenção da Santa Casa de Tatuí, único hospital da cidade que atende pelo SUS.

O vereador falou também sobre instalação do centro de hemodiálise em Tatuí e novamente questiona a Prefeitura Municipal sobre a origem do investimento. O parlamentar afirma que, em publicidade veiculada na TV e jornais, a municipalidade assume a construção deste centro e  logo a cidade terá esta benfeitoria. Ele desfaz o equívoco e afirma que “este centro de hemodiálise é particular, não da municipalidade, e o investimento está sendo feito por um médico”. Em Tatuí, mais de 70 pacientes têm que recorrer a centros de hemodiálise de outras cidades para seus tratamentos. Em muitos casos, a Prefeitura arca com a despesa do transporte. Além do desconforto com o deslocamento, há o gasto do dinheiro público com as viagens. “Espero  que a Prefeitura faça um convênio com a empresa que se instala em Tatuí, para que atenda a população local”, citou Antonio Marcos.

Por fim, o parlamentar falou sobre o aparelho de raio-x digital da Santa Casa, que a Prefeitura divulga em sua publicidade. Marcos garante  que o aparelho gera despesas de mais de cem mil reais e deve ser retirado do hospital. No seu pronunciamento, apenas fala da despesa e entende que a Santa Casa já possui um aparelho de raio-x, que deveria estar sendo utilizado, ao invés do digital, dando a entender que este seria mais conveniente para as finanças da Santa Casa. Durante o pronunciamento, nenhum vereador que apóia o prefeito Manu, nem mesmo seu líder, vereador Oséias Rosa (PSD), contestou as palavras de Antonio Marcos de Abreu (PR).

Santa Casa de Tatuí

Dia 12 de maio, o site oficial da Prefeitura informa que “encerrou hoje o período de requisição da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí. Em ato simbólico, realizado no Paço Municipal, o prefeito José Manoel Correa Coelho (Manu) assinou o decreto 17.207, devolvendo o comando do hospital filantrópico à “nova provedoria” recentemente eleita”.

Dia 27 de janeiro, através de um decreto municipal, a Prefeitura de Tatuí “requisitou” a direção da Santa Casa de Misericórdia. Com a interferência do poder público, no dia 4 de março de 2016, 8h30, ocorreu uma reunião de diretoria. De acordo com ata registrada em cartório, houve “Renúncia Coletiva da Diretoria”. Foram demissionários a provedora Nanete Walti Lima, diretor secretário  Alexandre Novais do Carmo, vice-provedor Máximo Machado Lourenço, diretor tesoureiro João Prior e diretores mordomos Tirza Luiza de Melo Meira Martins, Silvoney Rosembach Rosa e Vanessa Carvalho Hessel, conforme cartas protocoladas na secretaria da Santa Casa.

Esclarece ainda a ata que o diretor secretário Alexandre Novais do Carmo apresentou seu pedido de demissão e iria tomar providências para fazer cumprir o artigo 35 do Estatuto. No entanto,  somente no dia 15 de abril foi composta a nova direção do hospital. O estatuto prevê que, após a renúncia coletiva, dentro de prazo de oito dias, se elege uma comissão provisória de quatro membros que administrará a Santa Casa até completar o mandato dos renunciantes. Após a assembleia realizada em 15 de abril,  a comissão provisória foi escolhida e composta por Vera Lúcia das Dores (presidente) e membros Alexandre Novais do Carmo, João Carlos Costa e Fernanda Rodrigues Laranjeira.

O que se observa, ao analisar a ata de renúncia coletiva, protocolada em cartório,  até a eleição da nova comissão provisória é que a Santa Casa de Tatuí praticamente ficou acéfala no período de 4 de março a 15 de abril, quando Vera Lúcia das Dores assumiu a presidência da atual Comissão Provisória. Neste período, a Prefeitura de Tatuí foi a responsável por todos os procedimentos no hospital  que atende pacientes do SUS. Uma pessoa, que conhece toda a administração da Santa Casa e prefere ficar no  anonimato, informa ao Jornal Integração que, após a renúncia coletiva (4 de março), o convênio SUS, que deveria atender 460 pacientes por mês, entre maternidade, pronto socorro e cirurgias eletivas, passou a atender uma média de 230 pacientes. Outra informação passada ao semanário, é que deveria ser assinado um termo aditivo ao contrato dos plantões à distância para destinar mensalmente R$ 1,2 milhão ao pagamento de médicos. Esta assinatura do aditivo ele não confirma se houve, mas explica que a única que poderia assinar era a ex-provedora Nanete Walti Lima, demissionária desde o dia 4 de março, conforme ata lavrada por Alexandre Novais do Carmo.

Segundo consta, depois da renúncia coletiva e problemas que a antiga provedoria enfrentava para pagar salários, o prefeito José Manoel Correa Coelho, sensibilizado com a situação da Santa Casa, iniciou  repasse  de verba aditiva de R$ 400 mil a mais para o hospital. O informante afirma que este valor cobria o déficit de R$ 200 mil enfrentado até fevereiro pela ex-provedora Nanete Walti Lima e até apresentava um superávit de R$ 200 mil nas contas do hospital. Segundo justifica a Prefeitura, a medida saneadora serviu para colocar em dia o pagamento de funcionários e melhorias no hospital. Por outro lado, as dívidas de quase R$ 20 milhões, passivo da antiga provedoria, não foram saldadas.

Dia 26 de abril, através de contundente discurso na tribuna da Câmara Municipal, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde da Região de Sorocaba, Milton Sanches, denunciou a situação aflitiva que se encontravam funcionários da Santa Casa. O sindicalista afirmou que eles estavam sendo “desrequisitados” pela Prefeitura Municipal, e cerca de quarenta trabalhadores da área da saúde estariam sem receber seus direitos legais. Sanches afirmou na tribuna que o decreto expedido pelo  prefeito Manu para “requisitar” a Santa Casa foi “maléfico” aos trabalhadores. Tudo leva a crer que esta manifestação do sindicalista levou o prefeito a se desvencilhar da Santa Casa, embora ele afirme que mantém funcionários municipais de sua confiança na administração do hospital.

Cirurgias eletivas em Itapetininga

A situação das cirurgias eletivas no Hospital Regional de Itapetininga voltou ao normal, desde a semana passada, após o Secretário de Saúde, Fábio Nascimento, regularizar os processos necessários para que as cirurgias pudessem ser novamente realizadas. Quem informa é a Prefeitura daquele município e o Regional continua sob a direção do Instituto São Camilo e permanece com as mesmas especialidades cirúrgicas: Ginecologia/Obstetrícia, Cirurgia Geral, Vascular e Otorrino e a previsão é da realização de, pelo menos, 60 cirurgias por mês.

O Secretário de Saúde também fala sobre a capacidade de atendimento do HRI, “Nosso Hospital Regional atende 13 municípios da nossa região e faz 12 mil atendimentos de urgência e emergência por mês. São 650 internações e 260 cirurgias, ou seja, trabalhamos no limite, mas estamos nos empenhando para que as condições da saúde pública da cidade sejam melhoradas”.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: