Posts Tagged ‘Santa Casa de Misericórdia de Tatuí’

GREVE AFASTA PROVEDORA DA SANTA CASA

janeiro 28, 2016
Foto site José Orlando da Cruz. 28-1-2016

Assembleia dos servidores da Santa Casa em foto enviada por  José Orlando da Cruz.

Na quarta-feira (27), uma greve deflagrada na Santa Casa de Misericórdia de Tatuí provocou o afastamento da provedora Nanete Walti Lima. Milton Sanches, presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde (SinSaúde), disse que “não foi cumprido o acordo para o pagamento do décimo terceiro salário dos funcionários assinado no dia 28 de dezembro último”. Faltou o pagamento da terceira parcela (30% do décimo terceiro), que venceu em 25 de janeiro”.

Uma reunião entre representantes do sindicato e a provedora, Nanete Walti, aconteceu na terça-feira, dia 26. Neste encontro, a representante da entidade disse que não haveria dinheiro para “pagar a parcela pendente”. Segundo Paulo César Ramos Pereira, diretor do SinSaúde, a provedora aguardava um posicionamento do novo secretário municipal da saúde, Umberto Fanganiello Filho, em relação a liberação de recursos para o hospital. Este posicionamento aconteceu na quarta-feira (27) com a expedição de um decreto do prefeito José Manoel Correa Coelho (Manu), “requisitando” a Santa Casa de Tatuí (ver matéria abaixo). Milton Sanches, presidente do SindSaúde de Sorocaba, ao tomar conhecimento da “intervenção” da Prefeitura no hospital fez um duro pronunciamento contra o ato e aponta o secretário Umberto Fanganiello Filho como autor desta decisão de Manu. “Ele foi afastado pelo prefeito anterior e agora quer assumir novamente a Santa Casa”, diz o presidente. “Nós estamos preparados para um embate e não deixaremos nenhum funcionário da Santa Casa de Tatuí sem suas proteções trabalhistas”, diz Milton.

Primeira greve durou cinco dias

Dia 28 de dezembro, funcionários da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí encerraram a greve que havia paralisado 70% dos 350 funcionários desde a véspera de Natal. A paralisação aconteceu em razão da falta do pagamento do 13º salário e outros direitos trabalhistas. Para encerrar a greve, os trabalhadores aceitaram proposta da direção da Santa Casa.

Do acordo constava que seria pago apenas o décimo terceiro, em três parcelas: 30% até o dia 29 de dezembro, 40% no dia 5 de janeiro e 30% no dia 25 deste mês. Após realização de assembleia que ratificou o acordo, os funcionários promoveram passeata pelas ruas da cidade. A ação estava programada e visou apenas reivindicar melhorias para a área da saúde de Tatuí, que está caótica.  Durante os quatro dias de paralisação, 30% dos funcionários trabalharam para garantir o atendimento emergencial à população. Esta ação foi coordenada pelo SinSaúde, entidade que representa trabalhadores da saúde na região de Sorocaba.

PREFEITURA REQUISITA SANTA CASA

Nota do Departamento do Comunicação – Desde esta quinta-feira (28), a Santa Casa de Tatuí passou a ser administrada diretamente pela Prefeitura Municipal. A decisão aconteceu após o agravamento da situação administrativa e financeira do hospital, que culminou com nova greve dos funcionários. Estes não receberam a última parcela do 13º salário, que deveria ter sido depositada na segunda-feira (25), em cumprimento ao acordo firmado em dezembro.

A assessoria da municipalidade comunica que, antes de tomar a decisão, o prefeito José Manoel Correa Coelho (Manu) reuniu-se “a portas fechadas com a provedora Nanete Walti de Lima, com o secretário da Saúde, Umberto Fanganiello Filho (Tuta), e com profissionais da área técnica, das pastas de Saúde e de Fazenda, Finanças e Planejamento”.

O prefeito assinou o Decreto nº 16.555, requisitando a administração plena do hospital. Este documento estabelece “situação de emergência” no Sistema Municipal de Saúde, e requisita os bens, equipamentos, serviços móveis e utensílios pertencentes à Santa Casa de Tatuí.

Uma hora depois, em nova reunião na Santa Casa, Nanete Lima anunciou o afastamento por um ano da atual provedoria e deixou de forma oficial o comando do único hospital público da cidade. “Esta decisão foi tomada em conjunto, de maneira amigável, harmoniosa e consensual. Temos muitas dificuldades e um déficit mensal que chega a R$ 650 mil”, explicou a ex-provedora.

O decreto define também a nomeação de um conselho de gestão, composto por três funcionários públicos indicados pela própria Prefeitura. São eles: Sandra Santos, diretora de saúde, na função de gestora geral; Fabiana Freitas, diretora de recursos humanos, que atuará como gestora administrativa; e Jefferson de Biagi Candido Silva, técnico do setor de contabilidade, que trabalhará como gestor financeiro.

Segundo a assessoria, a requisição já vinha sendo estudada há algum tempo, desde que a Prefeitura optou por participar da administração da Santa Casa, a partir de uma gestão compartilhada envolvendo a São Bento Saúde, empresa especializada no diagnóstico e na condução de hospitais filantrópicos. Na última semana, o Frei Bento Aguiar, da São Bento Saúde, encaminhou um documento ao prefeito Manu, onde apresentou diagnóstico completo da situação administrativa do hospital, a partir do trabalho feito nos últimos seis meses, recomendando que a Prefeitura assumisse a gestão do nosocômio definitivamente.

O prefeito, que trata a questão como “novo desafio em sua gestão”, disse que “a superação é a marca do povo tatuiano” e pediu colaboração e apoio, “para juntos vencermos essa batalha”. Por fim, lembrou que a Santa Casa deverá trabalhar com o recurso já previsto em orçamento.

Anúncios

Vereadores alertam sobre a situação crítica da Santa Casa de Tatuí

junho 11, 2015

 

Vereador Fábio Menezes alerta sobre situação da Santa Casa. 1852

Na terça-feira (9), a situação financeira e administrativa da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí voltou ao debate na Câmara Municipal. “A Santa Casa está para fechar, para falir. Se não houver uma ação rápida, não vai ter solução depois”, alerta na tribuna o vereador Fábio Menezes (Pros). “A dívida já soma milhões e cresce dia a dia”, disse o parlamentar. Menezes ainda informa que recebeu reclamações de munícipes. Segundo consta, falta  medicamentos no hospital e  muitos fornecedores, sem receber, não entregam seus produtos, como gêneros alimentícios e remédios.

O vereador Marcos Antonio de Abreu (PP) disse na tribuna que “o problema atual no hospital é de gerência”. O parlamentar recorda que na gestão do ex-prefeito Luiz Gonzaga Vieira de Camargo (PSDB) atuou como interventor na entidade. Neste período – lembra o vereador – houve muita conquistas na Santa Casa. Ele relata que a partir de 2008, R$ 12 milhões em dívidas herdadas do ex-provedor Tuta Fanganiello e foram parceladas. Marcos acrescenta que foram realizadas reformas na ala do SUS, cozinha e lavanderia, construída a nova Maternidade e os salários pagos em dia. O vereador do PP  disse  que a entidade precisa de forma urgente admitir novos convênios médicos. “Há mais de um ano eu disse aqui na tribuna que a Santa Casa iria encontrar sérias dificuldades. É o que está acontecendo”, destaca o vereador.

Sempre que a Câmara Municipal levanta problemas sobre a situação financeira da Santa Casa, a administração municipal, aliada à Provedoria, inventa uma entrevista coletiva para dizer que tudo vai bem e que o hospital atende a população satisfatoriamente. Não é de se estranhar que nos próximos dias tal fato venha a ocorrer, porque estes dirigentes se julgam imunes à críticas. E, caso não haja uma ação efetiva do poder público para resolver o problema financeiro da Santa Casa, as reclamações de munícipes, evidenciadas nos pronunciamentos dos vereadores na última sessão da Câmara, corrobora com o alerta do vereador Fábio Menezes: “a Santa Casa corre o risco de fechar as portas em breve”.

Divulgação de documento público irrita provedoria e prefeitura

fevereiro 13, 2015

O documento da polêmica, foto site

Nesta sexta-feira (13), “dia do azar”, uma entrevista coletiva na Maternidade de Tatuí deixou patente que a divulgação de documentos públicos deixaram irritadíssimos o prefeito José Manoel Correa Coelho (Manu) e a provedoria da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí. Estes documentos apontavam um fato gravíssimo que poderá ocorrer com as gestantes a partir de 1º de março, caso a Maternidade não disponha de um médico obstreta no período noturno. A entrevista coletiva foi frustrante do ponto de vista jornalístico. Um cidadão de uma rádio de Boituva fez algumas inferências totalmente infundadas e sem nada a ver com o problema principal que é a falta do médico obstetra. O jornalista Christian Pereira de Camargo indagou se no dia 1º de março o problema estaria solucionado na maternidade. As respostas foram evasivas e sem nenhuma certeza. O médico João de Oliveira Filho disse que a maternidade precisa contratar este profissional obstetra para o período noturno. Sua resposta foi também evasiva e deixou dúvidas se no dia 1º de março esta contratação, que mobilizou a imprensa e as redes sociais esta semana, será totalmente resolvida. No entanto, um fato chamou a atenção. Um “circo” armado pelo diretor de comunicação da Prefeitura, tentou sensibilizar os jornalistas presentes. Num ato de arroubo e excessiva bondade, o prefeito Manu saca uma caneta e na frente das câmeras assina um repasse de verba para a Santa Casa no valor de R$ 460 mil. Na verdade, depois de ser criticado na Câmara Municipal, na Rádio Notícias e nas redes sociais, o que o “marqueteiro” de plantão tentou passar para a imprensa é que este generoso gesto do prefeito é uma verdadeira “tábua de salvação” para nosso único hospital público.

A sensatez da coletiva foi registrada nas palavras da médica Maria Laura Lavorato Matias, diretora clínica da Santa Casa. Ela revelou à imprensa que o problema da maternidade iniciou-se em maio de 2014, agravou-se em novembro do ano passado e chegou ao seu ápice agora em fevereiro. Um problema que se arrasta há 10 meses, bem maior que o prazo normal de uma gestação (nove meses), que poderá ser solucionado com o “ensurdecedor barulho da imprensa”. Se o documento foi vazado para alguns jornalistas, certamente, é porque ainda existem em Tatuí pessoas responsáveis e com alto espírito público. Este documento contém uma frase de extrema gravidade: “existe risco iminente aos munícipes”. Só este trecho já justifica o alto interesse público de que o fato venha a conhecimento da população. Como foi dito nesta entrevista coletiva pelo jornalista José Reiner Fernandes, que detinha em suas mãos cópias dos documentos: “No Estado Democrático de Direito não se privilegia o mistério”. Esta frase consta de inúmeras decisões do ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), em suas memoráveis decisões favoráveis à liberdade de imprensa e da livre expressão no Brasil”.

MATERNIDADE PODE FICAR SEM OBSTETRA 

Jornal Integração (14/2/2-15) – A crise no sistema da saúde pública de Tatuí ganhou um novo capítulo esta semana. Na segunda-feira (9), a médica Maria Laura Lavorato Matias, diretora clínica da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí, protocolou na Secretaria Municipal de Saúde, ofício de “Notificação à Secretaria de Saúde”, no qual informa que a partir de 1º de março de 2015, “todas as gestantes de qualquer idade gestacional sejam encaminhadas ao Pronto Socorro Municipal para ser atendidas e encaminhadas via CROSS (Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde) para referência”.

Mesmo assim, relata o ofício, “apesar da situação estaremos com um plantonista à disposição para esclarecer dúvidas e orientar condução dos casos emergenciais, bem como a retaguarda das enfermeiras que não podem ficar descobertas”.

A notificação esclarece o motivo da decisão. Segundo o documento oficial, “a coordenação da Maternidade informou que a escala de auxílio obstétrico estará desfalcada a partir de 1º de março, devido à dissidência sobre o segundo profissional Obstetra; portanto devido ao risco iminente aos munícipes, no período noturno não poderá ser realizado a contento atendimento de Pronto Socorro na Maternidade”.

Se até o próximo dia 1º de março nenhuma atitude for tomada, a Santa Casa deixará de atender as gestantes no período noturno, em situação de emergência. As gestantes, a partir de então, deverão ser encaminhadas a outros hospitais da região.

Salários dos funcionários estão atrasados

Segundo apurou a reportagem do Jornal Integração, a provedoria da Santa Casa esteve reunida na terça-feira (10) para discutir a questão do atraso no pagamento dos funcionários e tentar revertê-la. Uma fonte da Secretaria Municipal da Saúde revelou que o “corre corre” foi grande, a partir do momento que a informação do ofício-notificação chegou à imprensa local. O jornal também obteve a informação que até a terça-feira (10), os salários dos funcionários da Santa Casa ainda não haviam sido pagos. A crise no hospital é iminente. A provedora Nanete Walti de Lima garante que os funcionários do hospital foram feitos e que o atraso é em razão de atrasos das verbas do SUS.

A nova diretoria da Santa Casa foi eleita no último dia 9 de janeiro e ficou assim constituída: Nanete Walti de Lima (provedora), Máximo Machado Lourenço (vice-provedor), João Prior (tesoureiro), Alexandre de Novais do Carmo (secretário), Vanessa Carvalho Hessel (mordomo 1), Tirza Luiza de Mello Meira (mordomo 2) e Silvonei Rosembach Rosa (mordomo 3).

Em dezembro de 2014, durante reunião de diretoria, a provedora Nanete Walti Lima informou aos então membros da direção do hospital que a Santa Casa de Misericórdia de Tatuí deveria fechar o ano de 2014 com um déficit em torno de R$ 2 milhões. Até o mês de outubro, entidade já registrava saldo negativo de R$ 1.513.533,71. Em 2013, o déficit ficou em R$ 2,38 milhões, com prejuízo mensal em torno de R$ 230 mil.

Veja a primeira página do Integração desta semana, com esta e outras reportagens.

1474_2

Provedora se mantém no cargo na Santa Casa

janeiro 16, 2015
A atual provedoria da Santa Casa em recente reunião com o prefeito Manu.

A atual provedoria da Santa Casa em recente reunião com o prefeito Manu.

A provedora Nanete Walti de Lima, em eleição realizada dia 9 de janeiro na Santa Casa de Misericórdia de Tatuí, se mantém no cargo nos próximos quatros anos. O hospital enfrenta grave crise econômica e ela entende que a situação deverá ficar mais difícil com a saída da Unimed para seu hospital próprio. Para Nanete, o grande desafio da atual diretoria é contornar esta perda de receita e manter a Santa Casa em atividade.

A nova diretoria ficou assim constituída: Nanete Walti de Lima (provedora), Máximo Machado Lourenço (vice-provedor), João Prior (tesoureiro), Alexandre de Novais do Carmo (secretário), Vanessa Carvalho Hessel ( mordomo 1), Tirza Luiza de Mello Meira (mordomo 2) e Silvonei Rosembach Rosa (mordomo 3). O vereador Antonio Marcos de Abreu, que usa o codinome de “Marquinhos da Santa Casa” não ocupará nenhum cargo na direção da Santa Casa.

Déficit no orçamento – Em dezembro de 2014, a provedora Nanete Walti Lima informou que a Santa Casa de Misericórdia de Tatuí deveria fechar o ano de 2014 com um deficit em torno de R$ 2 milhões. Até o mês de outubro, entidade já registrava saldo negativo de R$ 1.513.533,71. Em 2013, ficou em R$ 2,38 milhões, com prejuízo mensal em torno de R$ 230 mil. Dia 9 de janeiro, praticamente a mesma diretoria permaneceu na administração do hospital. Este ato de desprendimento, não deixa de ser uma atitude louvável a estes abnegados cidadãos. Mesmo sabendo que o problema é praticamente insolúvel e mesmo assim este grupo de pessoas se dispõe em dar continuidade na administração do único hospital filantrópico de Tatuí.

Santa Casa deve Fechar o Ano com Deficit de R$ 2 Milhões

dezembro 11, 2014
Nanete Walti de Lima é a atual provedora da Santa Casa.

Nanete Walti de Lima é a atual provedora da Santa Casa.

A Santa Casa de Misericórdia de Tatuí deve fechar o ano de 2014 com um deficit em torno de R$ 2 milhões. Na quarta-feira (10), em reunião da diretoria esta informação foi disponibilizada pela direção do hospital aos membros que integram a Provedoria.

Até o mês de outubro, o deficit na entidade já registrava R$ 1.513.533,71. No ano passado, o deficit ficou em R$ 2,38 milhões. Segundo a tesouraria do hospital, o prejuízo mensal da entidade é em torno de R$ 230 mil. A falta de recursos, segundo a tesouraria, é pela baixa remuneração paga pelos serviços prestados ao SUS (Sistema Único de Saúde). Os salários dos funcionários da Santa Casa do mês de novembro ainda não estavam pagos na quarta-feira (10). Segundo foi explicado, aguardava-se um repasse da Prefeitura de Tatuí para a regularização, o que poderia ocorrer ainda no dia 10.

Para 2015, a projeção é que sem mais recursos, o único hospital poderá atingir novo deficit. Na reunião, foi feita uma projeção para o próximo ano, Segundo as contas oficiais, a entidade necessita obter no mínimo R$ 28 milhões para que os serviços continuem dentro da normalidade.

Eleição da Provedoria está marcada

Na última reunião da diretoria em 2014, definiram-se detalhes da próxima eleição da Provedoria. Ela deverá ocorrer no próximo dia 9 de janeiro de 2015, com o prazo para o registro de chapas até o dia 30 de dezembro deste ano. Podem participar das eleições apenas os sócios da Santa Casa, devidamente regularizados e em acordo com o Estatuto da Entidade. A diretoria eleita no ano de 2015 irá comandar o hospital nos próximos quatro anos.


%d blogueiros gostam disto: